Blog Puro Bem-Estar

/Saúde

Os benefícios do alho e cebola

 

O Alho e a cebola, muito consumidos pelos brasileiros, são mais do que temperos. Você consome diversos benefícios para seu organismo sem saber. Agora para você ficar ciente e consumir ainda mais esses amigos, confira:

Benefícios


O alho e a cebola são mundialmente utilizados na medicina popular para a cura de diversas doenças e muitos de seus benefícios têm sido comprovados por estudos científicos, tais como:

- atividade antibacteriana, antifúngica, antiviral, anticancerígena, antihipertensiva, antioxidante, antiplaquetária, antitrombótica;

- redução do colesterol e glicose sanguínea, dentre outras já pesquisadas.

As ações do alho sobre a inbição do desenvolvimento de doenças neurodegenerativas como o Alzheimer estão sendo investigadas. Um estudo publicado em 2011, verificou que o consumo de alho é capaz de reduzir a deposição dos peptídeos beta-amiloides, principal substância envolvida com o desenvolvimento da doença.

A multifuncionalidade desses vegetais na saúde deve-se à diversidade de compostos bioativos, principalmente os que contêm enxofre, presentes em sua composição. Quando intactos, os bulbos do alho e cebola não apresentam o sabor e o odor peculiar. No entanto, quando picamos, trituramos, fatiamos ou maceramos, ocorre a ruptura das células e desencadeia uma sequência de reações que irá formar os compostos responsáveis pelo odor, sabor, lágrimas, (no caso da cebola), e principalmente, os compostos benéficos à saúde.

Consumo diário

Cebola

O consumo de 50 gramas de cebola fresca (crua) todos os dias faz bem à saúde. Isso equevale à meia cebola média.

Alho

Indica-se que a ingestão de alho seja de 600-900 mg/ dia, o que equivale a dois dentes médios/dia, e que a suplementação com esses vegetais, principalmente sob a forma de cápsulas de alho, seja avaliada por profissionais competentes.

 

Mas não exagere!

O uso crônico e em excesso desses alimentos pode causar mau hálito, suor, perturbações gastrintestinais como: ardência, diarreia, flatulência e mudanças da flora intestinal. Em contato direto com a pele pode ocorrer dermatite alérgica, queimaduras e bolhas. E em casos mais severos a superdosagem pode induzir anemia e perda de peso, devido a ulcerações no trato digestivo e redução do crescimento. Indivíduos alérgicos ao enxofre (constituinte de alguns dos compostos bioativos presentes) devem também evitar o consumo desses alimentos, já que podem apresentar dermatites, asma, rinite, conjuntivite, urticária, anafilaxia (morte por asfixia), edema (inchaço de tecido ou órgão) e angiodema (inchaço similar à urticária sob a pele e não na superfície) em resposta ao consumo.


Mas lembre-se, o método mais indicado de consumi é o in natura, para a melhor absorção do organismo.

Voltar
}