Blog Puro Bem-Estar

/Fitness

Acroyoga: a modalidade das famosas

Quem segue famosos nas redes sociais como a ûber model Gisele Bundchen e a atriz Grazi Massafera, já deve ter percebido que elas estão adeptas de uma prática curiosa: a Acroyoga.

E o próprio nome já diz qual é a mistura que resultou nessa nova modalidade: ginástica acrobática com ioga. Misturam-se exercícios típicos da ioga com acrobacias e temos um novo 'esporte'. O Acroyoga pode ser praticado em dupla ou trio. Na maioria dos exercícios, uma pessoa fica embaixo (chamada de base ou porto) e a outra fica em cima, suspensa no ar (conhecida como voador ou volante). A cada etapa, o objetivo é que as posições fiquem mais desafiadoras. Em alguns exercícios, entra também a massagem tailandesa, com o objetivo de relaxar o voador. 

Quem pode praticar

Em princípio, qualquer pessoa, inclusive quem leva uma vida sedentária, pode praticar o Acroyoga. Porém quem já tem uma base de ioga leva vantagem e pode iniciar o Acroyoga já a partir de exercícios mais avançados. Para os iniciantes, o ideal é que comecem mesclando aulas de ioga tradicional às acrobacias para estimular respiração e posturas corretas.

Benefícios

O Acroyoga trabalha o corpo intensamente, em todos os seus aspectos, até mais que o ioga tradicional. O praticante vai adquirindo consciência do próprio corpo e, consequentemente, fortalecendo todos os músculos. Há benefícios tanto para quem é base quanto para quem é volante. Por exemplo, quem fica em cima, melhora o equilíbrio. Já quem fica embaixo se destaca pela força. Tendo condições físicas para tal, os dois podem inverter os papeis. Além dos benefícios físicos, a técnica fortalece a autoestima e a confiança no parceiro de exercício - por isso é bem comum que o acroyoga seja procurado por casais.

Contraindicações

É essencial ter a supervisão de um professor para evitar movimentos errados ou quedas. Entretanto quem já possui problemas de coluna, nos punhos, labirinte ou pressão alta, é desaconselhado a praticar o acroyoga, para não apresentar pioras no quadro.

 
Fonte: Revista Boa Forma
 

Voltar
}